Como escolher um Plano de saúde? TUDO que você precisa saber!

Médico utiliza notebook em consulta

A expectativa de vida do brasileiro vem aumentando consideravelmente, segundo o ultimo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2018, a expectativa média do brasileiro atingiu a marca de 76 anos, no entanto, a preocupação com a qualidade de vida ainda não é uma prioridade, o que não deveria acontecer, afinal, tão importante quanto envelhecer é fazer com que essa jornada seja percorrida com conforto e bem-estar, não é mesmo?

Porém, vivemos em uma rotina tão acelerada que muitas vezes não nos sobra tempo para cuidar da nossa saúde e só quando somos acometidos por alguma enfermidade que nos deparamos com um grande problema da nossa sociedade: Acesso a saúde de qualidade.

A falta de assistência médica, longas filas para atendimento, o baixo índice de qualidade dos profissionais e hospitais sucateados, são problemas que surgem no dia a dia de quem precisa de um atendimento seguro e mais estruturado.

Outro dado interessante, é que o Brasil fechou o ano de 2019 com 47 milhões de beneficiários em planos de saúde e o número de adesões demonstra um crescimento significativo anualmente, o que prova que o brasileiro não só vem percebendo a importância de se possuir uma assistência médica, como também está cada vez mais exigente em relação a qualidade dos serviços prestados pelas operadoras de saúde.

Dessa forma, para agir de maneira preventiva com foco na qualidade de vida, e cuidar da saúde na hora que mais precisa além de contar com um excelente serviço prestado, é necessário investir, concorda? Só através de um seguro ou plano de saúde é possível ter um atendimento mais digno e humanizado de forma rápida e eficaz.

Agora que você já entendeu a importância desse benefício essencial você nesse momento deve estar se perguntando, “como eu faço para escolher o plano de saúde ideal?” Foi pensando exatamente nisso que a DWS Corretora, especialista em planos de saúde desenvolveu este documento.

Acompanhe esse artigo até final e estará pronto para escolher um plano de saúde ideal. VOCÊ busca valores como: exclusividade, conforto, tranquilidade e proteção. Esses valores são fundamentais para que no futuro não se arrependa da sua escolha, vamos lá?

Agência Nacional de Saúde Suplementar

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é o órgão vinculado ao Ministério da Saúde responsável pela regulamentação de todos os planos de saúde, sejam eles quais for, ou seja, de forma simplificada, a regulação pode ser entendida como um conjunto de medidas e ações do Governo que envolvem a criação de normas, o controle e a fiscalização de segmentos de mercado explorados por empresas para assegurar o interesse público.

Por isso é tão importante estar ciente do seu funcionamento, é a ANS que vai garantir que todos os direitos do segurado ao contratar um plano de saúde sejam cumpridos.

Segmentação

Esse é com certeza o primeiro ponto que deve ser analisado, a segmentação em planos de saúde nada mais é que a composição das coberturas que o segurado terá acesso, ou seja, tudo que se refere ao tipo de atendimento que ele terá disponível.

Para cada segmentação, há uma lista de procedimentos com cobertura obrigatória descrita no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde editado pela ANS e revisado a cada dois anos. Essas determinações valem para todos os contratos celebrados após 1º de janeiro de 1999, ou adaptados à Lei nº 9656/98 (planos novos).

São elas:

  • AMBULATORIAL:  Aqui fica assegurado toda a prestação de serviço referente a consultas médicas em clínicas ou consultórios, como também exames e demais procedimentos ambulatoriais.No caso de atendimentos de emergência ficam limitados até as primeiras 12 horas do atendimento. Qualquer procedimento de natureza hospitalar não está acobertado, ficando sob responsabilidade do paciente.
  • HOSPITALAR:  Garante o atendimento em regime hospitalar de qualquer natureza, seja ela cirurgias, internações, quimioterapia e até exames e consultas feitas no hospital.
  • HOSPITALAR COM OBSTETRÍCIA: Além do regime de internação hospitalar, também está incluída a atenção ao parto. É garantida, ainda, a cobertura assistencial ao recém-nascido filho natural ou adotivo do contratante, ou de seu dependente, durante os primeiros 30 dias após o parto.
  • REFERÊNCIA: Como o nome já sugere, esse plano é considerado a referência em atendimento e coberturas, ou seja, ele engloba todos os serviços como assistência médico-ambulatorial e hospitalar com obstetrícia além de acomodação em enfermaria.

Coberturas e abrangência

As coberturas são todos os procedimentos que o segurado tem acesso de acordo com a segmentação do seu plano de saúde, ou seja, os procedimentos garantidos pela a ANS que o plano de saúde deve oferecer ao beneficiário quando requisitado, como por exemplo, consultas, exames, internações, cirurgias, etc.

No caso da abrangência vai definir a área de atuação do seu plano de saúde, a rede de atendimento que você terá acesso e consequentemente a qualidade do atendimento. 

Essa abrangência normalmente costuma se dividir em 2 pontos: assistência regional e assistência nacional.

Na abrangência REGIONAL, o plano de saúde tem cobertura apenas em uma região específica, podendo ser em uma cidade ou num conjunto de cidade ou estado, o que normalmente ocorre.

Enquanto que na abrangência NACIONAL, a rede credenciada do plano deve incorporar todo o território nacional, dessa forma o beneficiário fica protegido mesmo que não esteja em seu local de domicílio.

As duas opções tem suas particularidades, por isso se você quiser saber mais, preparamos neste artigo um comparativo detalhado entre as duas modalidades, deixando claro para quem e quando cada uma é indicada.

Carência em planos de saúde, como funciona?​

Período ou prazo de carência, segundo a ANS, é o tempo necessário para que você tenha acesso a determinadas coberturas previstas após a contratação do seu plano, ou seja, consiste no tempo entre a assinatura do contrato e a possibilidade de utilização dos procedimentos, sejam eles consultas, exames e cirurgias. Nesse período, o consumidor paga normalmente a mensalidade mas fica impedido de utilizar o serviço até que seja cumprido o tempo necessário.

Para cada situação específica existe um tempo estimado definido pela ANS.

  • Urgência e emergência: fica possibilitado sua utilização 24 horas após a contratação.
  • Consultas, exames, internações e cirurgias: são necessários 180 dias para que se possa utilizar o serviço.
  • Partos: 10 meses, exceto em partos prematuros ou decorrentes de complicações no processo gestacional, neste caso considera-se urgência, possibilitando atendimento imediato.
  • Lesões e doenças pré-existentes:sua utilização só será possível após 2 anos da contratação, o consumidor terá cobertura parcial temporária até cumprir o prazo. Durante esse período, ele não tem direito à cobertura para procedimentos de alta complexidade, leitos de alta tecnologia, CTI / UTI e cirurgias decorrentes desse problema.

É importante destacar que esses são os prazos máximos definidos por lei, e cada seguradora pode oferecer prazos mais curtos se assim desejar, não é incomum isso acontecer, saiba mais.

Portabilidade

Está claro que sempre que um usuário contrata um plano de saúde ele fica obrigado a passar pelo período de carência, mas o que acontece se ele desejar migrar para outro plano?

É para esse tipo de situação que existe a portabilidade, dessa forma o usuário pode mudar de plano sem ficar prejudicado tendo que cumprir novos prazos, possibilitando que ele busque um serviço de saúde que melhor lhe atenda.

Mas para que isso aconteça é necessário cumprir alguns requisitos, são eles:

  • Estar com um contrato ativo de plano de saúde
  • Estar em dia com o plano atual
  • Ter cumprido o prazo mínimo de permanência exigido, sendo 2 anos para a primeira portabilidade e 1 ano da segunda portabilidade em diante.

Em junho de 2019 a ANS aprovou a RN nº438 que ampliou ainda mais as regras de carência e beneficiou principalmente os usuários de plano de saúde empresariais.

Coparticipação em planos de saúde

Agora que você já sabe tudo sobre as formas e a rede de atendimento em planos de saúde, chegou a hora de entrar no assunto finanças, que sempre uma grande preocupação nesse assunto. O primeiro ponto que vamos falar é sobre coparticipação, você já vou falar desse termo? como ela funciona? Você vai saber tudo agora, vamos lá?

Para quem desconhece completamente esse termo, a coparticipação nada mais é que o valor pago pelo consumidor à operadora de saúde em razão da realização de um procedimento ou evento em saúde.

Trata-se de uma modalidade em planos de saúde, em que o beneficiário custeia parte do procedimento ou evento médico utilizado, em contrapartida ele tem um desconto no valor da mensalidade. Ou seja, a mensalidade é menor em comparação a um plano de saúde convencional, mas sempre que o usuário realizar qualquer procedimento, seja ele consulta ou exame, ele precisa custear uma porcentagem desse evento.

A ANS também define regras bem rígidas sobre os valores que podem ser cobrados pela coparticipação, protegendo o beneficiário para que o valor não seja exorbitante.

Dois pontos interessantes dessa modalidade é que a cobrança vem embutida direto na mensalidade do mês conseguinte a utilização do serviço, e o outro ponto é que a cobertura do plano é exatamente igual ao dos planos convencionais.

Neste artigo, preparamos um comparativo entre os planos convencionais e o coparticipativos, deixando claro para que tipo de indivíduo cada tipo de plano é indicado.

Reajustes em planos de saúde

Primeiro é necessário entender que todo plano de saúde está sujeito a sofrer 2 tipos de reajustes: um reajuste anual e o reajuste por faixa etária.

  • Reajustes por faixa etária: ocorrem sempre que um segurado ou seus dependentes passam de uma faixa etária para a próxima.Essas faixas são definidas pela própria ANS e são as mesmas para planos de saúde de qualquer tipo, sejam eles individuais ou empresariais.
  • Reajustes anuais:  esse reajuste ocorre sempre na data de aniversário do contrato, portanto cada contrato tem sua própria data de reajuste anual, para ficar mais claro, num contrato fechado no mês de setembro de 2019, o reajuste anual para esse contrato ocorrerá apenas em setembro de 2020, e não no início do ano.

Além disso, na questão de reajuste é preciso entender o papel da ANS.

No caso dos planos de saúde individuais, é ela que regula os reajustes, sendo eles são fixos para todos os planos dessa modalidade,  de acordo com uma metodologia de calculo que leva em consideração o índice de uso dos procedimentos médicos, variação dos custos, etc.

Já os planos de saúde empresarias funcionam de forma diferente, os valores de reajuste ocorrem conforme as normas contratuais definidas entre a operadora de planos de saúde e a pessoa jurídica contratante (empresa), ficando obrigatório que o valor definido seja comunicado à ANS em no máximo até 30 dias após o aumento do preço. 

Para saber como funciona cada tipo de reajuste e qual a taxa base utilizada, acesse nosso artigo sobre reajustes.

Suspensão e cancelamento do plano de saúde​

Muitas pessoas não prestam atenção nas clausulas contratuais e acabam sendo prejudicadas e tendo o contrato rescindido pela seguradora.

Quando isso pode ocorrer? Os contratos de planos de saúde só podem ser cancelados em duas situações: por fraude do consumidor ou falta de pagamento.

Nos casos de atraso de pagamento, sendo esse o mais comum, acontece caso o beneficiário atrasar por mais de 60 dias, sendo consecutivos ao não, ao longo de um ano. 

É importante estar atento ao fato de que não é necessário que o atraso seja de dias consecutivos. Por exemplo: se constar o atraso de 30 dias em janeiro, e o débito for sanado, mas em setembro tiver outro atraso novamente de 30 dias, o beneficiário está sujeito a perder o benefício do plano de saúde, ficou claro.

Plano x Seguro saúde: há diferença?​

Sim, existem diferenças entre essas duas modalidades, e é preciso entender isso para que os próximos tópicos façam total sentido para você.

Então, qual a diferença entre plano de saúde e seguro saúde? Ambos possuem a mesma finalidade: oferecer assistência médica e hospitalar aos seus clientes.

No plano de saúde, o segurado tem acesso a serviços de assistência médica prestado pelos profissionais e estabelecimentos credenciados pela operadora. Cada operadora tem sua própria rede de atendimento, variando bastante de uma pra outra em relação a cobertura e abrangência.

no seguro saúde, o segurado não fica limitado apenas à rede de profissionais impostos pela operadora. O consumidor fica livre pra escolher onde deseja ser atendido e por qual médico. Além disso o seguro saúde oferece uma série de benefícios que vão além da cobertura básica, vamos falar mais detalhadamente sobre isso nos próximos tópicos.

Reembolso​: entenda esse importante benefício

Esse provavelmente é o maior diferencial do seguro saúde, se você nunca ouviu falar em reembolso, você precisa conhecer esse benefício.

Quando estamos acostumados a sermos atendidos sempre pelo mesmo médico acabamos criando um vínculo de confiança, mas e se por algum motivo esse médico não atender mais seu plano de saúde, o que fazer?

É nesse momento que entra o serviço de reembolso para resolver esse problema, através do reembolso você pode se consultar com qualquer médico de sua escolha e ser reembolsado pela despesa médica.

E pode ter certeza que essa situação acontece com mais frequência do que você imagina, essa matéria que mostra que 37% dos usuários de planos de saúde já passaram por isso.

Assistência internacional

Estar acobertado em qualquer lugar do mundo é outra grande vantagem oferecida pelo seguro saúde. O intuito é saber exatamente a quem recorrer no caso de um imprevisto com a saúde, seja ele de qualquer natureza, inclusive problemas odontológicos.

O objetivo desse tipo de plano é ofertar tranquilidade ao usuário, independente de onde ele esteja, situações de saúde não devem resultar em problemas maiores.

Sabia que apenas 35% dos brasileiros se preocupam em possuir algum tipo de seguro em viagens internacionais?

Descontos em medicamentos: outro diferencial​

Medicamentos são uma parte fundamental no tratamento de saúde em geral, mas no ROL de obrigatoriedade da ANS não existe nenhuma regra que atenda essa necessidade. 

Sabia que é possível ter um seguro saúde que ofereça desconto em medicamentos?

Engana-se quem acredita que a atuação do seguro saúde se restringe apenas a hospitais e consultórios em geral, também é possível conseguir descontos na compra de medicamentos em farmácias de todo o país.

Sabia que quando o assunto é saúde, gastamos mais com remédios do que com o próprio plano de saúde?

Esse é mais um grande diferencial do seguro saúde.

Não deixe sua saúde em segundo plano

Escolher um plano de saúde não é uma tarefa fácil, mas tenho certeza que todo esse conteúdo é suficiente para auxiliar você nessa difícil escolha, e posso assegurar que você está preparado para escolher o plano de saúde ideal que realmente atenda as suas necessidades, afinal, nosso compromisso é com a sua saúde.

Mas se você ainda estiver confuso e com dúvidas, não se preocupe, a Dws Agência de Seguros tem uma equipe de especialistas para te auxiliar, seja qual for a sua dúvida temos a solução para isso.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *