DWS Corretora
Carregando...

Cirurgia bariátrica: Tipos, valores e contraindicações

Postado em: 13 de novembro, 2020
Faça sua simulação SIMULAR

O que é cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica é um procedimento que reúne um conjunto de técnicas de diminuição do estômago, portanto é destinada a redução de peso de pacientes com obesidade.

O procedimento é feito quando as atividades físicas não causam mais efeito na pessoa, necessitando então de uma intervenção médica.

Além disso, é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina.

A obesidade é uma das condições de saúde mais prevalentes do século XXI.

Isso porque, embora esteja associada a fatores genéticos, ela também é reflexo de hábitos menos saldáveis.

Infelizmente tais hábitos vêm ganhando cada vez mais espaço, como a alimentação desequilibrada e acima de tudo o sedentarismo.

Segundo dados de 2020 do Ministério da Saúde, 55,7% da população brasileira está acima do peso e 19,8% está obesa.

O aumento do número de pessoas com excesso de peso também fez crescer a procura por tratamentos emagrecedores como, por exemplo, a cirurgia bariátrica, cujas indicações e riscos explicaremos melhor a seguir.

Tipos de Cirurgia Bariátrica

O Conselho Federal de Medicina regulou 4 tipos de operações, são elas:

Cirurgia Sleeve ou Gastrectomia Vertical (GV):

Remove de 70 a 85% do estômago do paciente, transformando-o em um tubo estreito.

Desta maneira, há redução do hormônio grelina, associado a fome e a absorção de ferro, cálcio, zinco e vitaminas do complexo B não é afetada.

Se não funcionar, pode ser transformada em Bypass Gástrico ou Derivação Bileopancreática, mas não é reversível, como a Banda Gástrica.

Além disso, por envolver procedimentos mais complexos também está ligada a um risco maior de complicações.

Corresponde a 15% dos procedimentos.

Gastroplastia em Y de Roux (GYR):

Também conhecida como Bypass Gástrico, diminui para 10% a capacidade do estômago.

Restringindo a quantidade de comida ingerida e desviando esses alimentos para a primeira porção do intestino, chamada duodeno, até a porção intermediária do órgão, chamada jejuno.

Dessa maneira, há redução do hormônio grelina, responsável pela fome e liberação de hormônios próprios do intestino que promovem saciedade.

Com ele, o apetite do paciente é reduzido praticamente sem diarreia e desnutrição, e doenças associadas à obesidade, como resultado apresenta rápida melhora.

Os riscos incluem fístulas, embolia pulmonar e infecções.

Essa cirurgia corresponde a 75% dos procedimentos.

Derivação Bileopancreática (DBP):

É uma associação da Gastrectomia Vertical, com 85% do estômago retirado, com desvio intestinal.

Esse desvio faz com que o alimento venha por um caminho e os sucos digestivos (bile e suco pancreático) venham por outro.

Então se encontrem somente a 100 cm de acabar o intestino delgado, inibindo a absorção de calorias e nutrientes.

A vantagem é que a técnica possibilita maior ingestão de alimentos, reduz a intolerância alimentar e promove maior perda de peso.

Por outro lado, pode ocorrer desnutrição de intensidade variável ao longo do tempo.

Diarreia, flatulência e deficiência de vitaminas também são comuns.

A Derivação Bileopancreática corresponde a 5% dos procedimentos.

Banda gástrica ajustável:

É um dispositivo de silicone colocado no começo do estômago.

Ela fica ligada a uma espécie de reservatório no qual é possível injetar água destilada para apertar mais o estômago, ou seja, esvaziar para aliviar a restrição.

A vantagem do método é o fato de ele ser reversível, pouco invasivo, o que reduz a mortalidade, e então permite ajustes individualizados.

Por outro lado, há risco de rejeição da prótese ou infecção e a perda de peso é, muitas vezes, insuficiente para que a saúde do paciente seja considerada estável.

Mas, ela é inadequada ainda para pacientes com compulsão por doces, portadores de esofagite de refluxo e hérnia de hiato volumosa.

Corresponde a 5% dos procedimentos.

Quem pode fazer a Cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica é destinada ao tratamento da obesidade e das doenças agravadas pela doença, ou seja, ao excesso de gordura corporal.

Em outras palavras, a cirurgia bariátrica é considerada como uma alternativa segura de tratamento para obesidade.

Mas quando o paciente pensa na redução de estômago como primeira alternativa para perder peso, descartando a importância da dieta e da atividade física, pode ser um problema.

Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a cirurgia é indicada para pacientes com índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 40 ou IMC entre 35 e 40 com pelo menos duas complicações relacionadas.

Os problemas mais comuns relacionados à obesidade

  1. Diabetes ou intolerância à glicose
  2. Hipertensão
  3. Colesterol alto
  4. Doenças cardiovasculares
  5. Osteoartrose severa
  6. Doença do refluxo
  7. Doença pulmonar e/ou apneia obstrutiva do sono
  8. Esteatose hepática não alcoólica

Ou seja, essa cirurgia é indicada para pessoas com obesidade, e não apenas sobrepeso.

Já aqueles pacientes que têm IMC abaixo de 35, porém não tem doenças associadas devem sem dúvidas tentar o tratamento clínico antes.

Certamente com chances de conseguir resultados razoáveis.

Indicar operações bariátricas sem necessidade impõe um risco desnecessário de complicações.

Eliminando então as vantagens dos resultados satisfatórios em relação a perda de peso.

Então, operar indivíduos com sobrepeso apenas não trazem boas perda ponderal e se ocorrer, não são duradouras por diversas razões fisiológicas.

Contraindicações da cirurgia bariátrica

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica esclarece que em algumas situações o paciente não deve realizar o procedimento cirúrgico, como:

  1. IMC entre 25,1 e 29,9 sem presença de complicações relacionadas ao sobrepeso
  2. Deficiência intelectual significativa
  3. Pacientes sem suporte familiar adequado
  4. Quadro de transtorno psiquiátrico não controlado, incluindo uso contínuo de álcool ou drogas ilícitas
  5. Doenças genéticas

Exames para realizar a cirurgia

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, é preciso que o paciente realize uma série de exames antes de dar início a cirurgia.

Vale lembrar que o procedimento vai de acordo com cada indivíduo e seus devidos problemas de saúde.

Os exames são:

  1. Endoscopia digestiva
  2. Ultrassom abdominal
  3. Exames de sangue

O médico pode solicitar também:

  1. Prova de função pulmonar
  2. Radiografia de Tórax
  3. Polissonografia.

O paciente também precisa se consultar com profissionais obrigatórios como:

  1. Cirurgião
  2. Cardiologista
  3. Psiquiatra
  4. Psicólogo
  5. Nutricionista
Cirurgia Bariátrica
Como é feito uma cirurgia bariátrica

Como é feita a cirurgia bariátrica

Em primeiro lugar deve realizar uma avaliação completa do quadro de saúde do paciente.

Em segundo lugar o profissional de formação médica e especialização em anestesiologia injeta uma anestesia geral no indivíduo.

A cirurgia bariátrica pode ser feita através de cortes grandes, conhecidos como cirurgias abertas ou convencionais.

Ou por videolaparoscopia, no caso de pequenas incisões de 0,5 a 1,2 cm.

Nessa segunda técnica, a cavidade abdominal é insuflada com gás carbônico para que se crie espaço.

Assim, o cirurgião consegue realizar o procedimento com auxílio de uma videocâmara e de instrumentos e grampeadores especiais.

Além disso, as pequenas incisões exigem menos manipulação dos órgãos intra cavitários, consequentemente, a agressão cirúrgica é menor.

A esses benefícios, temos a menor intensidade da dor pós-operatória.

Valor medido diretamente pela quantidade de analgésicos consumido pelo paciente.

Então as vantagens são alta hospitalar mais precoce e o mais rápido retorno às atividades diárias.

Qual médico realiza a cirurgia bariátrica?

Este tipo de procedimento deve ser feito por um cirurgião membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM).

É possível verificar essa informação através do site da sociedade.

Tempo de duração do procedimento

Dependendo da técnica a cirurgia bariátrica pode durar entre uma hora e meia e três horas.

Acima de tudo é importante que o paciente siga corretamente todas as recomendações médicas do pós-operatório.

Tempo de internação

Na maioria das vezes depois do procedimento o paciente já vai direto para o quarto.

Porem é comum que o paciente fique as primeiras 24 horas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Esse tempo pode variar dependendo da gravidade das doenças associadas à cirurgia.

A internação hospitalar varia de 36 a 48 horas.

Preços de uma cirurgia bariátrica

O preço para a realização do procedimento varia bastante para cada situação, podendo chegar em aproximadamente R$ 40 mil.

Além disso, o paciente precisa realizar uma série de exames antes da cirurgia, e cada um tem um preço diferente.

Já para quem tem convênio médico, é preciso saber quais os benefícios e limitações o plano oferece.

Ou seja, existem planos que fazem a cobertura integral dos gastos, enquanto outros cobram uma porcentagem do valor gasto.

Para saber mais leia o nosso artigo sobre: Cobertura e abrangência dos planos de saúde: O guia completo

Para mais informações faça uma cotação conosco. Cuide de você e de quem você ama com a DWS Corretora.

Simular um plano de saúde