18 dúvidas frequentes sobre Covid-19

Médico infectologista segurando máscara de proteção facial

Em meio a tantas dúvidas frequentes sobre covid-19, se faz necessário oferecer suporte e compartilhar informações relevantes com nossos clientes e parceiros neste momento delicado.

De acordo com especialistas do Ministério da saúde colhemos 18 das mais frequentes perguntas feitas e trouxemos para você!

1. O que é o novo Coronavírus e como surgiu?

Chamado de SARS-CoV-2, ele faz parte de uma família de vírus chamada de Coronavírus. Eles recebem este nome porque quando vistos no microscópio eletrônico têm um aspecto de coroa.

Alguns destes vírus infectam seres humanos e outros, atingem só animais e podem causar desde um resfriado comum até quadros graves, como pneumonia e insuficiência respiratória.

O novo coronavírus, que começou a provocar doença em humanos a partir de dezembro de 2019, é decorrente de mutação de um vírus de origem animal e que, nos últimos meses, passou de animais para pessoas em um mercado de frutos do mar e animais vivos na cidade de Wuhan, na China.

2. De que formas se prevenir?

As medidas são as mesmas adotadas contra qualquer outra síndrome respiratória. 

  • Deve-se lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou use álcool em gel. 
  • Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com o cotovelo flexionado ou use lenço descartável.  
  • Mantenha-se longe de aglomerados, pois, podem conter pessoas infectadas
  • Evite tocar nos olhos, nariz e boca. Dessa forma, não há como ocorrer infecção pelas vias aéreas.

3. Como não contraí-lo?

Para haver o contágio é preciso ter contato com uma pessoa infectada. Então, é de suma importância evitar contato com pessoas suspeitas de COVID-19 ou viagens para áreas de risco e estar atento às medidas de prevenção sempre usando máscara e levando consigo sempre o álcool em gel.

4. O que é considerado um caso suspeito? 

Caso suspeito é aquela pessoa que ou esteja com febre e sintomas respiratórios ou que teve contato próximo com alguém infectado nos 14 dias antes do início dos sintomas.

5. Como sei se estou com o vírus?

Dessa forma, fique atento aos principais sintomas que são a tosse, febre e falta de ar, além de dores musculares.

Más, tenha calma, pois, apresentar esses sintomas não significa necessariamente que você está infectado. Porque, esses sintomas são semelhantes a gripes e resfriados comuns.

Então, é improvável que você esteja infectado se você não esteve em contato com alguém confirmado com a doença ou se você não esteve em um país ou área com alto risco do vírus nos últimos 14 dias.

6. Estou com uma viagem marcada para uma das regiões do Brasil com foco do vírus, o que eu faço?

Recomenda-se que o viajante tome alguns cuidados, como higienizar as mãos frequentemente, evitar aglomerações e evitar contato com pessoas com sintomas respiratórios. Contudo, o bom mesmo é ficar em casa.

7. Estou com uma viagem internacional marcada, o que eu faço?

Devido o perigo de contágio, todas as viagens para regiões de risco, que não sejam emergenciais, devem ser evitadas. Dessa forma, você evitará riscos.

8. Retornei de região de transmissão ou tive contato com pessoa com o vírus, o que eu faço?

Pessoas que retornaram de regiões de transmissão ou tiveram contato com pessoas infectadas, primeiramente, devem procurar um serviço de saúde para fazer o diagnóstico.

Pois, é recomendado que estas pessoas, que apresentarem sintomas de resfriados, iniciem o uso de máscara cirúrgica a partir do início da suspeita. Os casos graves devem se dirigir às unidades de emergência.

9. É necessário usar máscara para se prevenir do vírus?

As máscaras faciais desempenham um papel muito importante atualmente pois com tantos casos aumentando, não dá pra saber quem está infectado e quem não está. 

10. O diagnóstico como é realizado?

É feito, primeiramente, através de um exame específico para detectar material genético do vírus em secreções do nariz ou garganta do paciente. Esta coleta é feita por um cotonete ou por aspiração. 

11. É possível contrair o vírus através da comida?

Não há evidências de que você possa ser infectado através dos alimentos. Porém, é recomendado sempre lavar as mãos com água e sabão ou usar gel desinfetante para as mãos antes de preparar ou comer alimentos.

12. É possível a transmissão do vírus por correio e encomendas da China ou de outras áreas afetadas?

Por precaução, é recomendado que faça uso do álcool em gel antes e depois de qualquer em qualquer objeto, como também esteriliza-lo com álcool.

13. Qual a taxa de mortalidade do vírus atualmente?

Estima-se que a taxa de mortalidade esteja em torno de 3 a 4%. Os óbitos estão ocorrendo principalmente em pessoas acima de 60 anos e com doenças crônicas que afetam a imunidade.

Entretanto, o número de pessoas jovens está crescendo muito rápido também. Por isso, é importante acompanhar a evolução da pandemia para ter certeza do real potencial de mortalidade deste vírus.

14. No grupo de risco do vírus estão somente pessoas idosas ou as pessoas jovens também podem contrair?

É uma das principais dúvidas frequentes sobre Covid-19. Atualmente o grupo de risco inclui pessoas de todas as idades.

Entretanto, as pessoas idosas e as pessoas com condições médicas pré-existentes (como diabetes, asma, doenças cardíacas) têm maior chance de ficar gravemente doentes com o vírus.

Por isso, pessoas de todas as idades devem seguir medidas simples de prevenção para impedir a propagação do vírus.

Além disso, o Ministério da Defesa disponibilizou uma cartilha contendo medidas preventivas específicas para aqueles no grupo de risco.

15. Posso contrair o coronavírus pelo compartilhamento de objetos?

Com certeza! Pois, é através de talheres, copos, maçanetas, teclados de computador, celulares, corrimãos e barras internas do transporte público podem estar infectados.

Por isso, é importante cuidar da higienização das mãos antes e após o uso destes objetos.

16. O vírus é eliminado por algum produto de limpeza existente?

Sim. É recomendado utilizar álcool 70%, água sanitária ou água e sabão.

17. Por que existem pessoas com o vírus que ficam em isolamento domiciliar em vez de no hospital?

Em casos leves, quando não há incapacidade cardiorrespiratória, neoplasias ou idade avançada, é possível a adoção de medidas restritivas individuais de isolamento e quarentena domiciliar, contudo, mantendo distância dos demais contatos próximos.

Dessa forma, inclui também evitar o compartilhamento de utensílios domésticos e pessoais, até que seja descartada ou confirmada a suspeita.

18. Quais são os casos do vírus que precisam ser internados em hospital com isolamento?

Casos suspeitos ou confirmados que apresentam piora do quadro de gripe devem ser internados em áreas de isolamento em unidade hospitalar pública ou privada.

Pois, estas pessoas apresentam dificuldade respiratória, pontas dos dedos azuladas, entre outros sintomas.

Além destes, grupos mais vulneráveis a complicações cardíacas ou respiratórias, isto é, idosos, pessoas com doença crônica, devem ser internados em hospital com isolamento.

Em suma, essas são as dúvidas frequentes sobre Covid-19 que as pessoas tem perguntado, acredito que este conteúdo irá ser de muita ajuda para você. Compartilhe esse conteúdo com mais pessoas e ajude a salvar vidas.