Saúde Da Mulher: 9 Cuidados Essenciais Para Um Bom Estilo De Vida

Saúde da Mulher

É de grande importância a atenção sobre a saúde da mulher.

Identificar precocemente hábitos nocivos, sintomas físicos e psíquicos e então adotar hábitos mais saudáveis, aumenta a expectativa de vida. 

Preparamos uma lista especial com os: 9 cuidados essenciais para a saúde da mulher.

1. Manter alimentação saudável é fundamental para a saúde da mulher

Uma alimentação saudável, desde os primeiros dias de vida, como a amamentação e o consumo de alimentos in natura, por exemplo, traz benefícios à saúde.

Resulta na redução de fatores de risco para doenças, como o sobrepeso e o aumento do colesterol.

Além do bem estar físico e mental encontramos a importância do vínculo entre mãe e bebê, por exemplo.

Blog banner

2. Praticar atividade física

A prática de exercícios afasta os sintomas da TPM , além de deixar a mulher ainda mais feliz.

Para muitas mulheres, a prática regular de atividade física está ligada à imagem de pessoas com o corpo em forma.

Porém hoje já se sabe que outros benefícios do fitness se manifestam em todos os aspectos do organismo, desde a parte psicológica até o fortalecimento dos ossos e das articulações, por exemplo.

Da mesma forma, ao incluir na sua rotina um programa de exercícios físicos bem planejados e estruturado, a mulher observa a perda de peso e da porcentagem de gordura corporal.

Também reduz a pressão arterial, melhora do diabetes, diminui o colesterol total e o aumento do HDL colesterol, o “colesterol bom”.

Ou seja, todos esses benefícios auxiliam na prevenção e no controle de doenças, sendo importantes para a redução da mortalidade associada a elas.

Na vida da mulher moderna essa prática é essencial, uma vez que a demanda da vida diária torna imperativo que se alcance e se mantenha um nível satisfatório de potência aeróbica, força e flexibilidade.

Exercícios aeróbicos, por exemplo, podem oferecer efeitos significativos na saúde feminina.

Os benefícios dos exercícios envolvem a melhora cardiovascular, não só por aprimorar o condicionamento físico, mas também por manter um bom controle da glicemia e diminuir o colesterol ruim.

Ou seja, a produção de endorfinas, que advém do exercício aeróbico, proporciona sensação de bem estar, e também regulariza o ciclo hormonal na mulher.

Ou seja, as mulheres tendem a ter ciclos menstruais mais regulares, menos cólicas menstruais, menos efeitos relacionados à TPM, como dores nas mamas antes da menstruação e alterações de humor, e maior facilidade de engravidar, além do aumento da libido.

3. Mulher cuide de sua saúde mental

Identificar precocemente sintomas psíquicos e buscar acolhimento de saúde pode ser decisivo para que haja abordagem oportuna pelos profissionais de saúde.

Afinal, sabe-se que as mulheres se encontram em uma situação de vulnerabilidade por ganharem menos e por estarem concentradas em profissões menos valorizadas.

Por terem menor acesso aos espaços de decisão no mundo político e econômico, por sofrerem violência doméstica, física, sexual, psicológica, econômica, além da negligência e abandono.

Além disso, elas vivem dupla e tripla jornada de trabalho.

Para as mulheres idosas, há ainda a questão do isolamento social.

Elas sofrem com transtornos emocionais devido à aposentadoria, à viuvez, às alterações fisiológicas, e dos sofrimentos provocados por uma sociedade que supervaloriza a juventude e desvaloriza as marcas do envelhecimento feminino.

Então, além dos sintomas de depressão, outros transtornos mentais necessitam de atenção e cuidado, como os de ansiedade, insônia, estresse e transtornos alimentares.

Fatores psicossociais e ambientais estão relacionados à incidência dessas doenças.

Para conhecer melhor sobre doenças que afetam a saúde mental e os tratamentos certos para este caso leia o nosso artigo sobre: Depressão e ansiedade atendimento no plano de saúde

4. Sexualidade (Proteger- se contra IST/HIV)

A sexualidade engloba um conjunto de aspectos que envolvem o prazer, o desejo, a ternura, o amor, que são o resultado da convergência de natureza psíquica-bio-sócio-histórico-cultural.

Portanto conhecer o próprio corpo é fundamental para identificação dos pontos de prazer e exercício da sexualidade, em todas as idades.

A mulher vai tendo vivências e experiências da sua sexualidade que vão mudando com o passar dos anos.

Nas adolescentes, por exemplo, o início da puberdade é marcado por muitas mudanças como o aparecimento de espinhas, nascimento do broto mamário, pelos pubianos gerando muitas vezes dúvidas e inseguranças.

Falar da sexualidade das mulheres idosas ainda é um tabu, o que dificulta a busca de informação e a superação de obstáculos para que se alcance uma vida sexual saudável e com qualidade nesta faixa etária.

Após a menopausa, por exemplo, as mulheres podem apresentar algum desconforto nas relações sexuais com penetração vaginal, por causa das condições de hipoestrogenismo e, consequentemente, hipotrofia dos tecidos genitais.

Utilizar creme vaginal, nestes casos, pode favorecer as condições genitais para o pleno exercício da sexualidade.

5. Exames periodicamente: Saúde da Mulher

No quesito prevenção de doenças as estatísticas não mentem.

As mulheres saem na frente com uma grande vantagem, seja por fatores culturais ou simplesmente por hábito.

O sexo feminino é mais aberto a consultas de rotina e exames preventivos, desde a adolescência até a idade madura, inclusive durante a gravidez e no pré-natal.

A partir da primeira consulta com o ginecologista, as mulheres tendem a manter os cuidados com a saúde por meio de consultas e exames periódicos.

Os exames podem detectar precocemente diversas doenças, aumentando as chances de cura e garantindo mais qualidade de vida e longevidade.

Porém, cada idade pede um cuidado diferente.

Por isso, preparamos um guia com os exames periódicos essenciais que toda mulher precisa fazer. Confira:

Exame das mamas

O autoexame dos seios pode ser feito pela mulher todos os meses, em casa.

Porém, a partir dos vinte anos, o exame pode ser feito pelo médico, ao menos uma vez por ano, para detectar possíveis nódulos mamários.

Em alguns casos, pode ser necessário fazer uma ultrassonografia das mamas

Papanicolau

O Papanicolau é o exame preventivo mais conhecido e lembrado pelas mulheres, devendo ser feito pela primeira por volta dos 20 anos ou quando se iniciar a vida sexual.

Repetido anualmente, ele detecta alterações nas células cervicais, que podem indicar doenças como HPV, câncer de colo de útero e algumas doenças sexualmente transmissíveis.

Exames de sangue

Os exames de sangue básicos para homens e mulheres (níveis de glicose, colesterol, triglicerídeos e hemograma) devem ser repetidos uma ou duas vezes por ano.

Além deles, a partir dos 30 anos a mulher deve incluir em seus exames preventivos a análise da função tireoidiana TS4, T4 e T3 (que controla as dosagens hormonais).

Mamografia

A mamografia pode ser iniciada aos 35 anos, mas mulheres com histórico de câncer de mama na família podem começar antes, de acordo com a recomendação do médico.

O exame é feito em um aparelho de raio-X que identifica lesões, nódulos e calcificações, detectando precocemente o câncer de mama.

Densitometria óssea

A partir dos 40 anos a mulher deve incluir em seus exames preventivos a densitometria óssea, que identifica sinais de osteoporose.

Feito normalmente a cada dois anos, a frequência pode aumentar se houver sinal de perda da massa óssea.

Avaliação cardiológica também é importante para a saúde da mulher

A avaliação do sistema cardiovascular, quando não houver sintomas de problemas, pode começar por volta dos 50 anos de idade, período em que a proteção oferecida pelos hormônios femininos diminui.

Mulheres sedentárias ou com histórico familiar devem começar o acompanhamento cardiológico antes, a partir dos 30 anos.

A avaliação consiste em eletrocardiograma, teste ergométrico e ecocardiograma, além de exames básicos de rotina.

Saúde da Mulher

Exame de fundo de olho

O exame de fundo de olho tem por finalidade avaliar as condições das artérias dos olhos.

Ele identifica possíveis lesões causadas por doenças como diabetes e hipertensão arterial e então auxilia na detecção de glaucoma e até tumores na retina.

Esses exames fazem parte de uma rotina de prevenção, mas não eliminam a necessidade de acompanhamento médico caso algum sintoma apareça.

Também é importante lembrar que, caso exista histórico familiar de doenças como câncer de mama e de ovário, problemas cardiovasculares e osteoporose, pode ser necessário iniciar os exames periódicos mais cedo ou repeti-los com maior frequência, de acordo com a avaliação do médico.

6.      Métodos Contraceptivos

Existem diversos métodos contraceptivos para que adolescentes e mulheres possam escolher a maneira mais confortável de planejar quando, como e se vai querer ter filhos.

A mulher pode escolher entre os métodos: injetável mensal, injetável trimestral, minipílula, pílula combinada, diafragma, Dispositivo Intrauterino (DIU), além dos preservativos feminino e masculino

Mas vale lembrar da importância de tomar essa decisão junto com o médico ginecologista.

7. Busque ajuda em caso de violência

A violência contra as mulheres afeta cidadãs de todas as classes sociais, raças, etnias, faixas etárias e orientações sexuais, e se constitui como uma das principais formas de violação dos direitos humanos, pois atinge as mulheres no seu direito à vida, à saúde e à integridade física.

As agredidas vivenciam situações de medo, pânico, baixa autoestima, ansiedade, angústia, humilhação, vergonha e culpa, perda da autonomia e, muitas vezes, fragilidade emocional.

Agouros que abrem margem para quadros clínicos como depressão, síndrome do pânico, ansiedade, distúrbios psicossomáticos, entre outros.

Se está passando por alguma situação que lhe incomoda, converse com pessoas de sua confiança e vá até um serviço de saúde mais próximo para pedir ajuda e tirar dúvidas.

8. Conheça o próprio corpo

Você mulher conhece o seu corpo?

Esta pode parecer uma pergunta com resposta óbvia, porém muitas pessoas não conhecem seu próprio corpo.

Os motivos são os tabus, valores sociais e questões que envolvem sexualidade e gênero.

Todos sabem que a saúde sexual é essencial para homens e mulheres serem saudáveis física e emocionalmente.

Porém, ainda é grande o número de mulheres que sabem pouco ou nada sobre a anatomia e o funcionamento do seu corpo.

9. Cuidar da higiene íntima é importante para a saúde da mulher

A higiene íntima merece atenção especial, inclusive para que não sejam cometidos excessos na limpeza.

É o que afirma os ginecologistas, segundo os médicos o uso de duchas vaginais (quando se lava não só por fora, mas também o canal da vagina) e de sabonetes bactericidas altera a barreira de proteção da região.

Esse tipo de sabonete pode eliminar o crescimento dos Bacilos de Döderlein, que são responsáveis pela manutenção do pH ácido, saudável, da vagina.

O meio ácido é uma das formas de proteção contra micro-organismos causadores de doenças.

O crescimento dos Bacilos e a defesa também ficam comprometidos quando a higiene é feita com duchas que lavam o canal, já que isso altera o pH.

Para ajudar a manter uma flora vaginal adequada, diminuindo a suscetibilidade a infecções, a mulher pode utilizar sabonetes íntimos que contenham ácido lático em sua fórmula e ingerir probióticos com lactobacilos.

De acordo com a ginecologista, são vários os fatores que tornam a região da vagina propensa a infecções, irritações e alergias.

É uma área com secreção, abafada, perto do canal anal e da uretra, e ainda por cima tem uma pele sensível e mais fina suscetível a uma série de fatores internos e externos.

Por que a mulher deve aderir um plano de saúde?

Certamente o plano de saúde pode ser um grande aliado durante toda a vida da beneficiária.

Vimos alguns exemplos em que um plano de saúde pode estar presente.

Ou seja, todos os cuidados essenciais que envolve a saúde da mulher podem ser feitos de uma forma mais tranquila e eficiente caso ela tenha um plano de saúde.

Além dos cuidados já citados acima também podemos destacar:

  • Primeira menstruação – é essencial que seja marcado consultas periódicas com especialista em Ginecologia, a fim de tirar dúvidas sobre prevenção a doenças sexualmente transmissíveis e gravidez.

Além disso, com o plano de saúde, você pode ter acesso a consultas por meio da abrangência local da sua operadora.

  • Gravidez – o acesso à rede hospitalar, exames e procedimentos também é de total importância para a gestante.

Além disso, com um plano de saúde adquirido antecipadamente, o tempo de carência pode ser evitado, trazendo muito mais conforto para a mamãe e o seu bebê.

  • Mamografia e outros exames – após os 40 anos, o cuidado com a saúde feminina deve ser ainda maior.

Sejam tratamentos, exames de consultas ou procedimentos, ter um plano de saúde pode facilitar.

Prevenir sempre será a solução!

Precisa de um orçamento? Entre em contato conosco. Teremos prazer em atendê-la.

Banner simule um plano de saúde